Orlando (com as dicas da Letícia)

por Jackie Mota 27.jun.2012

* Post patrocinado

A convidada do Outros viajantes de hoje é a Letícia, minha caloura no mestrado. A Letícia já foi 12 vezes, isso mesmo, doze vezes a Orlando, incluindo 7 vezes como guia-assistente de excursões para os parques da região. Como é apaixonada por Orlando e pelos parques e super experiente nesse destino, ela vai aparecer aqui duas vezes: hoje contando sua história e na semana que vem com 10 dicas para quem visitar Orlando aproveitar ao máximo todas as atrações dos parques da área. 

Orlando, por Letícia

História de uma paixão
Toda vez que me perguntavam onde eu ia passar as férias e eu respondia “Disney! Vou pra Orlando!”, as pessoas sempre me olhavam com cara de reprovação, me perguntavam “de novo?” ou “você não tem vontade de ir pra outros lugares?”, ou simplesmente diziam “você é maluca”. Nada disso nunca me incomodou, porque, por mais que eu tenha vontade de ir a vários lugares no mundo (na verdade, se eu pudesse, eu dava a volta ao mundo), Orlando é uma cidade pela qual eu tenho muito amor, e tenho certeza de que, quantas vezes me forem dadas as oportunidades, vou querer voltar pra lá. E, de 2008 até 2012, eu tive ótimas oportunidades.

Letícia com os 11 grupos diferentes com os quais foi a Orlando
Minha primeira viagem pra Orlando foi em julho de 2004, como parte do meu presente de 15 anos. Embora eu tenha sido bastante influenciada pela Mivó (nome carinhoso pelo qual eu chamava a minha avó), eu nunca tive aquela vontade indescritível que muitas crianças e adolescentes tem de ir à Disney. Na verdade, principalmente naquela época, que eu me achava muito roqueira, queria mesmo ir pra Londres. Mas acabei aceitando o presente e fui pra Orlando.
 
E me apaixonei. Os parques temáticos são lugares mágicos, onde a gente só sente felicidade. Enquanto estava lá, tinha certeza de que não seria minha única visita, mas não sabia quando voltaria. Tive a oportunidade de voltar em janeiro de 2006, numa dessas viagens não-planejadas (foi assim: viajei numa terça e meus pais negociaram com a agência na quinta feira anterior) que dão muito certo. E, naquele inverno delícia de Orlando, pude confirmar meu amor por aquele lugar, e conferir atrações novas que não estavam lá um ano e meio antes – além de ver o Castelo da Cinderella especialmente decorado para a Happiest Celebration on Earth, a comemoração dos 50 anos da abertura da primeira Disneyland.
 
Happiest Celebration on Earth: 50 anos de Disneyland
Em 2007, não fui a Orlando, e senti saudade. Quis voltar em janeiro de 2008, e fui. Mesmo tendo ficado muito doente e não tendo curtido alguns parques (naquele ano, não fui ao Sea World nem ao Busch Gardens), foi uma viagem especial. Aqui começa a mudança crucial na história das viagens da minha vida: em julho do mesmo ano, fiz outra viagem pra lá sem muito planejamento (dessa vez, viajei numa quinta e meus pais fecharam com a agência na segunda a noite), e foi um verão indescritível. Mesmo entre janeiro e julho, pude ir a novas atrações e até a um parque aquático completamente novo – e isso só me fazia ficar mais e mais apaixonada pelos parques.
 
Por conta dessas duas viagens no mesmo ano, e por ter ido todas as 4 vezes com a mesma agência, fui convidada pra ser guia assistente no janeiro seguinte. Eu não receberia nenhuma remuneração, mas também não pagaria nem a minha passagem nem a hospedagem (os ingressos pros parques da Disney eu paguei, mas os parques da Universal e do grupo Sea World/Busch Gardens emitiam cortesias para guias). Pra uma universitária de Relações Internacionais, me pareceu um grande negócio: afinal, eu estava tendo a oportunidade de viajar para um lugar que eu adorava tendo que arcar somente com os meus gastos lá. Então, aceitei e fui.
 
Letícia com a guia de quem virou assistente
O que eu pensava que seria só uma temporada, acabou se estendendo pra julho de 2009, e também janeiro de 2010, e também julho de 2010 (um mês depois da abertura do Wizarding World of Harry Potter no Islands of Adventure), e janeiro de 2011, e julho de 2011, e janeiro de 2012. Em dezembro de 2010, fui com meus primos passar o réveillon lá (um sonho que eu tinha, porque sempre via fotos e vídeos dos parques decorados especialmente para os Holidays) e acabei virando guia deles desde o primeiro parque – o que eles amaram, porque não se davam nem ao trabalho de abrir os mapas.
 
Em todas as vezes, sem exceção, eu me diverti demais: além de toda a sorte de poder ir pra lá com frequência, eu era ajudante de uma guia que é uma das melhores pessoas que eu conheço no mundo, que tem amor por mim como se fosse minha mãe, e sempre deixou que eu brincasse e aproveitasse tudo ao máximo. Sim, eu tinha o melhor “trabalho” do mundo! Foram, sem dúvida, os invernos e verões mais divertidos que eu podia ter enquanto estava na faculdade.
 
Orlando e os parques
 
A cidade de Orlando tem 8 parques temáticos principais: 4 da Disney (Magic Kingdom, EPCOT, Disney’s Hollywood Studios e Disney’s Animal Kingdom), 2 da Universal (Universal Studios e Islands of Adventure), Sea World, e Busch Gardens.
 
No complexo Disney, temos também 2 parques aquáticos (Disney’s Blizzard Beach e Typhoon Lagoon), um centro de entretenimento noturno chamado Downtown Disney (onde há um Cirque du Soleil permanente, com show exclusivo chamado La Nouba, restaurantes como Planet Hollywood, T-Rex e House of Blues, uma Lego Store imensa, e a World of Disney – porque, como se já não bastasse todas as mil lojinhas dentro dos parques, tem que ter mais uma, que é ENORME), campos de golfe e mini-golfe, e tudo mais quanto o gênio Walt Disney e seus imagineers (como são chamados os funcionários da Disney responsáveis pela criação e atualização dos parques e dependências dos complexos) puderam criar.
 
Na Universal, ligando os parques, há o City Walk, recheado de lojas, boates e restaurantes (NBA City, Nascar, e o maior Hard Rock Café do mundo estão lá); eles também controlam o Wet n’ Wild de Orlando (que andava meio caído, mas que, segundo informações colhidas, está voltando à sua glória).
 
O Sea World, desde que abriu a Manta (uma montanha russa em que os aventureiros ficam na horizontal) em 2009, atrai muito mais do que crianças em busca da Shamu; além da Manta, há uma outra montanha russa no parque – a Kraken – que conta com um percurso impecável pra qualquer amante de montanha russa; além disso, desde 2008 podemos desfrutar do Aquatica, um parque aquático (como o nome sugere) onde podemos nos refrescar em meio a brinquedos multicoloridos e até mesmo tobogãs de vidro que permitem vermos golfinhos enquanto nadamos.
 
Embora não fique em Orlando, mas em Tampa Bay (cerca de 1h15 de carro), o Busch Gardens é um parque que não fica fora das excursões (ainda bem!), e costuma ser o mais atrativo para aqueles que curtem adrenalina: são 5 montanhas russas (Cheetah Hunt, Montu, Kumba, SheiKra, Gwazi), o que preenche um dia inteiro de visitas, intercaladas com 3 brinquedos aquáticos (do tipo botes) que molham MUITO.
 
Além dos parques temáticos, Orlando oferece excelentes opções de compras: são dois outlets da rede Premium (um na Vineland Ave. e o outro na International Drive) onde encontramos marcas de luxo e fast fashion, o enorme Florida Mall, e o não tão conhecido Mall at Millenia (com lojas de luxo como Chanel, Burberry e Gucci e também Zara, Macy’s, Bloomingdale’s, Victoria’s Secret). Eu, particularmente, gosto mais do Mall at Millenia que, por ser menor e menos conhecido pelos turistas, está sempre mais organizado (lembrem-se: eu sempre fui pra Orlando em alta temporada, e lojas como Abercrombie, Hollister e Victoria’s Secret ficam sempre lotadas e, consequentemente, sem o estoque que muitas vezes gostaríamos que tivessem), embora o Florida Mall disponha de uma variedade incomparável de lojas. Seja nos outlets ou nos malls, ou no Wal Mart ou no Target (dois mercados que tem tudo o que podemos imaginar e mais um pouco), as oportunidades de compras são de enlouquecer até o mais sovino dos seres humanos, e eu não vi até hoje quem voltasse de Orlando com menos do que as duas malas que as companhias aéreas permitem cheias.
 
Nesse tempo em que fui guia, também conheci outros lugares pelo mundo (#aicomoeusouviajada #soquenao) como passageira em grupo ou aventureira sozinha. Nessas férias de julho, não vou pra Orlando. Recusei meu posto como guia temporariamente (afinal, eu sou mesmo apaixonada por lá) e vou fazer um curso de política internacional em Londres pra realizar o sonho de conhecer a cidade e também ajudar no curriculum lattes (#bolsistasofre) da mestranda. Mas eu devo confessar que, por mais feliz que eu esteja de ir pra Londres, e agradecida pela oportunidade de estudar 1 mês na King’s College, dá uma dor no coração quando eu lembro que não vou curtir o verão de Orlando. 
 
Sim, é infernal. Sim, os parques estão lotados. Sim, chove muito e mesmo assim continua muito quente. Sim, eu amo muito tudo isso e não sei nem o que eu faria pra ir pra Orlando sem ter que abrir mão de Londres.
 
Em Orlando, a única preocupação que qualquer pessoa deve ter é com a diversão, e não há um dia sequer enquanto estamos lá que, dormindo tarde e acordando cedo (porque, pra curtir mesmo, tem que ser assim), a gente não sinta uma alegria incomparável. Se você nunca foi, programe-se e vá. Vá pelo menos uma vez na vida ser feliz em Orlando. Dificilmente você vai se arrepender.
 

 

Este post é patrocinado pela Miles Car Rental Orlando, uma agência americana de locação de veículos que tem atendimento em português e está em Orlando e outras cidades como Miami e Fort Lauderdale. Você sabia que a carteira de motorista brasileira é válida para dirigir na Flórida? Pois é, para tirar dúvidas, obter mais informações sobre locação de veículos e fazer um orçamento acesse o site da Miles Car Rental Orlando

Segunda parte das dicas da Letícia sobre Orlando aqui.
 
Texto: Letícia; Edição: Jackeline Mota; Fotos: Arquivo pessoal da Letícia

ORGANIZE SUA VIAGEM

Espero que tenha gostado deste conteúdo, produzido com cuidado e carinho. Posso te pedir uma coisa? Ao organizar sua viagem, utilize os links abaixo. Todas as empresas e serviços indicados foram testados pessoalmente e são as opções que usamos. Ao utilizar nossos links, você gera uma pequena comissão para a gente, o que nos ajuda a manter o blog e estimula o nosso trabalho. E você não paga nada a mais. Agradecemos muito o seu apoio!

 

  • SEGURO VIAGEM: É obrigatório nos países da Europa que fazem parte do Tratado Schengen, além de países como Cuba e Venezuela. Altamente recomendável em caso de gravidez, já que seguros de cartões de crédito não cobrem grávidas, práticas de esportes radicais e outros casos. Os gastos com atendimento médico no exterior podem ser exorbitantes! Nos EUA uma internação diária pode custar cerca de US$ 2 mil e um parto vaginal e sem anestesia em 2018 custa mais de US$ 32 mil. O seguro também te auxilia com imprevistos como cancelamento de viagem e extravio de bagagem. Para encontrar o plano mais adequado para sua gravidez leia esse post. E para garantir o melhor preço pesquise na Real Seguro Viagem, onde você pode pagar em até 6 x sem juros, e na Seguros Promo, onde você pode usar o cupom VIAJESIM5 e ganhar 5% de desconto. E você ainda tem MAIS 5%OFF para pagamento via boleto. Compre já e economize!

PROMOÇÃO: 10% de desconto + 5%OFF para pagamento via boleto para viagens feitas até 4 de fevereiro. Clique nesse link e use o cupom FERIAS na página de pagamento. 



Publicado por Jackie Mota

Uso minha formação em jornalismo e minha experiência organizando as viagens da minha própria família para escrever posts didáticos e detalhados para poupar o SEU tempo. Nos meus textos você encontra informações práticas apuradas com responsabilidade e organizadas de acordo com as necessidades do viajante. Referências histórias e análises sobre a política e impactos do turismo também estão presentes no meu trabalho para que você viaje bem informado, seguro e consciente - sou especialista em Relações Internacionais e Mestre em Estudos Estratégicos da Segurança Internacional.

outros artigos de Jackie Mota »

Comentários

  1. jackieeromulo
    06 jul 2012

    Oi Tatiane, a Letícia informou que é Point Travel, http://www.ptp.com.br
    abs,

  2. 04 jul 2012

    Oi,
    eu gostaria de saber da Leticia, qual é o nome da agência de viagens que ela utilizava.
    Já que ela falou tão bem, vale a pena anotar né… beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.