A odisséia Uyuni-Copacabana em transporte local

por Jackie Mota 29.mar.2012

A gente queria muito ir à Isla del Sol. Muito. Ver o Lago Titicaca, dormir na Isla eram momentos mais que esperados por nós, que ainda nos lembrávamos das aulas do colégio sobre essa região. Então, a Isla era um dos locais que não abriríamos mão de ir, não sairia do roteiro por nenhum motivo. Por mais que os perrengues aparecessem. E como apareceram.


Quando finalmente chegamos em Uyuni (leia sobre o fim do passeio aqui) corremos para tomar um banho, pois íamos encarar muitas horas de estrada. Nos nossos cálculos seriam mais ou menos umas 15 horas, já que íamos para Copacabana, com destino final Isla del Sol. Bem ao lado da agência Blue Line tinha um local que alugava banheiros (só o chuveiro, 10 bolivianos cada), então pagamos e tomamos nosso bainho quente. Saímos tranquilos em direção à Todoturismo (transporte turístico, como na nossa ida, leia aqui) para comprar nossa passagem de volta. Nosso planejamento era ir de ônibus turístico até La paz, lá pegar um ônibus local até Copacaba, mais 4 horas, e depois um barco às 13h30 para a Isla.

Pracinha de Uyuni, onde lanchamos


Mas, sim, não tínhamos as passagens de volta de Uyuni a La Paz. Não me perguntem por qual motivo não tínhamos reservado.  Um mole bobo, idiota que demos. E claro que não íamos ficar impunes a esse deslize de planejamento. Não tinha mais passagens para La Paz na Todoturismo. E nem nas mais de 10 agências de ônibus turísticos e locais que ficam ali pertinho e às quais corremos.

Já estávamos pensando que ficaríamos mais um dia inteiro em Uyuni quando uma agência disse que tinha um ônibus para Oruro e que de lá poderíamos ir pa La Paz. Depois de discutirmos um pouco e já tendo verificado todas as agências, topamos. Compramos as passagens por 43 bolivianos cada, fomos comer algo e usar o banheiro,  já que não tinha no ônibus.

Quando fomos embarcar, puseram nossa mochila no bagageiro, mas não nos deram nenhum cmnprovante de despacho de bagagem. Pensávamos: é a última vez que vemos essas mochilas e o pior é que são mochilas emprestadas! Mas, alguém protege os duros com equipamento alheio pelo mundo. Subimos e o ônibus já estava lotado. Em muitas poltronas tinha crianças nos colos dos pais e alguns cachorrinhos também – educadíssimos, diga-se de passagem porque ninguém ouviu latidos. Nossos lugares eram separados, mas um senhor se ofeceu pra trocar. Depois rolou um barraco entre pessoas com passagens para a mesma poltrona. Nos valemos da nossa condição de turistas e fingimos não entender nada. E finalmente o ônibus saiu de Uyuni.

E em poucos minutos eu, que já sofria com a altitude, comecei a sentir falta de ar. Claro, o ônibus estava lotado e era todo fechado, como se tivesse ar-condicionado, mas claro que não tinha. Estava sufocante. E tremia. Muito. Lá fora era tudo muito escuro, não se via nada. E asim fomos por umas 5 horas até a parada. Uns 40 minutos parados no meio do nada, um casebre onde vendiam churrasquinho (mas deu pra usar o banheiro).


Mais umas 3 horas e chegamos a Oruro. Às 3h da manhã. Mas foi só seguir o fluxo em direção à rodoviária local. Lá foi só seguir os gritos de “La Paz, La Paz”, pagar 20 bolivianos e embarcar para La paz. E com janelas abertas!

O estado das mochilas em La Paz


Mas dessa vez quem atrapalhou foi o frio. Muito. Fomos encolhidos e grudados pra nos aquecer. E 5 horas depois chegamos na rodoviária de La Paz.

Compramos a passagem para Copacabana, depois de penar um pouco com o mau atendimento (37 bolivianos cada). E tentamos usar o banheiro, pago, mas super lotado da rodoviária. Em vão. Demoramos mais de 30 minutos e nada. Tomamos café e partimos no micro-ônibus.

Pouco mais de 1h depois fizemos uma parada providencial, com banheiro limpo e lojinha onde reabastecemos o estoque de Pringles, Coca-cola e Snickers.

Mais 3 horas e chegamos ao Lago Titicaca. Ali, o microonibus pega uma balsa e a gente outra, paga, pra atravessar (é preciso pagar, não anotamos o preço, mas é algo barato, como uns 2 bolivianos por pessoa). Pensávamos outra vez: adeus, mochilas. 


Essa travessia é bem rapidinha – também, qualquer coisa seria rapidinha depois daquela viagem, né? A gente sai de San Pablo de Tiquina para San Pedro de Tiquina. O nome do canal é estreito de Tiquina e a Marinha Boliviana fica ali, já que o país ainda reivindica a devolução de sua saída pro mar (perdida na Guerra do Pacífico, quando o Peru também perdeu território para o Chile, incluindo Iquique, onde havíamos passado, leia aqui).




Ainda deu tempo de dar uma voltinha na feirinha por ali antes de entrar de volta no ônibus. Ai começamos a subir, subir, subir e… finalmente chegamos a Copacabana!


Como no planejamento, chegamos lá por volta de 12h. Claro que não esperávamos que fosse ser tão complicado, mas estávamos felizes. Só nao estávamos ainda no nosso destino. Pra Isla del sol ainda teríamos que atravessar de barco. E não sabíamos que mais uma etapa da odisséia nos esperava após isso. Mas aí fica pros próximos posts.


Texto: Jackeline Mota; Edição: Rômulo Elizardo; Fotos: arquivo pessoal do casal

ORGANIZE SUA VIAGEM

Espero que tenha gostado deste conteúdo, produzido com cuidado e carinho. Posso te pedir uma coisa? Ao organizar sua viagem, utilize os links abaixo. Todas as empresas e serviços indicados foram testados pessoalmente e são as opções que usamos. Ao utilizar nossos links, você gera uma pequena comissão para a gente, o que nos ajuda a manter o blog e estimula o nosso trabalho. E você não paga nada a mais. Agradecemos muito o seu apoio!

PROMOÇÃO atual: Até dia 21/11 a Seguros Promo está com QUINZE % de desconto! Clique aqui e use o cupom BLACK 

 

  • SEGURO VIAGEM: É obrigatório nos países da Europa que fazem parte do Tratado Schengen, além de países como Cuba e Venezuela;
    Altamente recomendável em caso de gravidez, já que seguros de cartões de crédito não cobrem grávidas, práticas de esportes radicais e outros casos. Os gastos com atendimento médico no exterior podem ser exorbitantes! Nos EUA uma internação diária pode custar cerca de US$ 2 mil e um parto vaginal e sem anestesia em 2018 custa mais de US$ 32 mil.
    O seguro também te auxilia com imprevistos como cancelamento de viagem e extravio de bagagem. Para encontrar o plano mais adequado para sua gravidez leia esse post.
    E para garantir o melhor preço pesquise na Real Seguro Viagem por esse link que te dá 10% de desconto e você pode pagar em até 6 x sem juros, e na Seguros Promo, onde você pode usar o cupom VIAJESIM5 e ganhar 5% de desconto. E você ainda tem MAIS 5%OFF para pagamento via boleto.

Compre já e economize!



Publicado por Jackie Mota

Uso minha formação em jornalismo e minha experiência organizando as viagens da minha própria família para escrever posts didáticos e detalhados para poupar o SEU tempo. Nos meus textos você encontra informações práticas apuradas com responsabilidade e organizadas de acordo com as necessidades do viajante. Referências histórias e análises sobre a política e impactos do turismo também estão presentes no meu trabalho para que você viaje bem informado, seguro e consciente - sou especialista em Relações Internacionais e Mestre em Estudos Estratégicos da Segurança Internacional.

outros artigos de Jackie Mota »

Comentários

  1. Os Meus Trilhos
    16 ago 2013

    Olá viajantes…

    Adorámos ler as vossas aventuras. Dentro de dias tb andaremos pela américa do sul, vai ser uma viagem fantástica.

    Gostamos muito de conhecer o v blog. Até breve.

    Abraço, Sérgio
    Portugal

  2. jackieeromulo
    11 out 2012

    Olá Luis, imagine, não inteligente seria não perguntar e ficar na dúvida =)

    Olhe, visto não é necessário, nem para o Peru nem para a Bolívia. Os países do Mercosul não exigem o visto, assim como alguns países na Europa.
    Quanto à vacina, teoricamente é obrigatória, mas não nos pediram. Eu aconselho a tomar sim, até pq se exigem é pq há risco. então, tome, pegue seu certifiado internacional e fique tranquilo. Pois pode ser que peçam, e aí vc vai ter problemas. e há mts outros países que pedem. como a vacina vale por 10 anos, vc já fica tranquilo esse tmepo todo de poder viajar pra vários países.

    Nesses posts aqui contamos como tomamos e que não nos pediram, dá uma lida:

    https://www.viajesim.com/search/label/vacinas

    abs,

  3. Luis
    10 out 2012

    Pergunta não muio inteligente… É obrigatório/necessário tirar visto para entrar em países como Bolívia e Peru? É necessário algum documento/comprovante de vacinação ou algo do tipo? Obrigado.

  4. jackieeromulo
    09 set 2012

    Fernanda, os ônibus turísticos são os de agência. Uma que eu conheço é a Todoturismo, que tem site, é só entrar em contato com eles pelo site ou email. Eu sei que eles fazem La Paz – Uyuni, mas de Cusco a La Paz não sei qual agência faz. Mas procure por agência em Cusco.
    Abs,

  5. Fernanda
    09 set 2012

    Oi Jackie! Como reservar o onibus turistico com antecedencia? Eu vou de Cuzco para La Paz e quero ir no onibus turistico, pois me falaram que mesmo no turistico as coisas sao bem tensas (frio demais).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.