Arequipa I: um roteiro furado e um anjo no nosso caminho

por Jackie Mota 26.set.2012

Quando estava fazendo o roteiro do mochilão sempre lia ótimas opiniões sobre Arequipa. As pessoas voltavam apaixonadas pela cidade branca. Então, fiz questão de incluí-la no roteiro. Nós também voltamos de lá encantados, passamos um dia super agradável e ficamos pensando que a cidade seria perfeita para uma lua de mel. Mas, antes de contar a história do passeio em Arequipa, temos outra história para contar. É a história da noite em fizemos tudo aquilo que a gente sempre diz que um turista não deve fazer para sua segurança. A história de como, apesar disso, chegamos sãos e salvos a um quarto de hotel em Arequipa. 

Mochilão Bolívia Peru: Arequipa


Apesar de eu estar convencida de que adoraríamos Arequipa, o Rômulo só queria dar uma passada pela cidade. Então, segundo nosso roteiro, chegaríamos pela madrugada, quase manhã, passaríamos o dia por lá e à noite seguiríamos para Nazca. Tudo redodinho. No papel.

Na vida real, a saída de Puno foi bem complicada, pois a empresa que eu tinha como referência (era um ônibus leito que os relatos diziam ser perfeitos para descansar à noite) já não tinha mais passagens para aquele dia. Rodamos a pequena rodoviária da cidade até encontrar outra empresa que fosse para Arequipa ainda naquela noite. Achamos a Juani. Compramos as passagens para as 20h (custaram 35 soles cada), o que era bem mais cedo do que nosso roteiro previa e o que nos impediu de sair da rodoviária e procurar um hostel para tomar banho antes de embarcar, por exemplo. Mas enfim, comemos uma pizza e um hamburguer bem ruins na rodoviária e embarcamos.

Rômulo gostou do ônibus, eu achei um pouco desconfortável, mas foi uma viagem tranquila. Lá pelas 2h chegamos à Nazca. É, 2h. No nosso planejamento chegaríamos às 6h e iríamos a pé procurar um hostel pelo entorno da rodoviária. Mas àquela hora não achei que devíamos sair da rodoviária. Arequipa é uma cidade de 1 milhão de habitantes, eu tinha lido relatos sobre golpes em táxis, assaltos na rua. Então, o que fazer?

Mochilão Bolívia Peru: Arequipa


Começamos a conversar e o Rômulo, que não estava nem um pouco empolgado pela cidade, disse que por ele iríamos direto a Nazca. Fomos, então, checar o horário do próximo ônibus pra lá. Mas, não adiantava, chegaríamos depois do horário de saída do passeio na cidade (o sobrevôo das linhas de Nazca). E aí ficamos naquele impasse. Ficamos? Onde? Vamos dormir aqui na rodoviária até amanhecer? Arriscar um táxi? Ir direto para Lima?

Enquanto conversávamos uma senhora se aproximou e nos disse que no segundo andar funcionava um escritório de turismo da cidade, onde poderíamos pegar informações. Então, lá fomos nós. E a senhora que tinha vindo falar conosco, também. Ela trabalhava lá. Já achamos esquisito. Nos entreolhamos, acendendo o modo turista em alerta. Mas lá fomos nós. Ela nos mostrou um mapa da cidade, disse que poderia nos arrumar um hostel com bom preço. Ela falava e íamos concordando e trocando olhares incrédulos.

A moça então ligou e reservou o hostel por um preço ótimo (60 soles!). Pensei, “ok, em algum momento teremos que pagar uma comissão, mas está ótimo, íamos ficar abandonados aqui na rodoviária mesmo”. Mas não, ela não pediu nada.

Quando ela disse que estava reservado eu perguntei sobre o táxi, que tinha lido que era perigoso, pois tinha táxi pirata e ela confirmou tudinho que eu tinha lido. Então, se levantou e disse: eu levo vocês. 

Meu olhar e do Rômulo se cruzaram e tive certeza que ele pensava o mesmo que eu: pronto, ela vai nos sequestrar, vamos acordar sem um fígado, vou virar escrava. Mil possibilidades de golpes passaram pela nossa cabeça. Porque afinal, infelizmente, não é comum uma pessoa sair da sua mesa de trabalho, fazer mais que sua obrigação, ir resgatar dois turistas que nem tinham pedido ajuda a ela e os ajudar com tudo, informações, reserva e até serviço de delivery. Era bom demais para acreditar. E a imagem da minha mãe infartando ao saber disso tudo não saía da minha cabeça. Mas acreditamos e fomos com ela. 

Mochilão Bolívia Peru: Arequipa



Pegamos um táxi e levamos uma aula sobre táxis piratas. Fiz questão de levar minha mochila comigo no colo, pois pensava que em algum momento iam nos jogar para fora do carro. Tinha lido sobre um caso assim em Caracas. Rômulo não entendeu meu olhar quando sinalizei isso e colocou a mochila dele no porta-malas. Memorizei a placa do carro também.

O táxi se afastou da rodoviária e enquanto andávamos, eu ia vendo como a cidade era grande. Tentava imaginar para onde nos levavam. Então, à medida que percebi que a cidade ficava mais branca soube que estávamos, de fato, indo em direção ao centro histórico. Ali, numa ruazinha branca, o táxi parou. Descemos. O hostel ficava em um prédio branco. Fizemos o check in, acompanhados da nossa anfitriã. Vi na parede o preço original – o dobro do que estávamos pagando – e a moça se despediu. Assim, sem pedir nada, dando conselhos sobre o que fazer no dia seguinte, ela foi embora.

Subimos uma escada, entramos no quarto, pequeno, mas muito limpo e muito novinho. Usamos o wi-fi, ligamos a TV – ficamos sabendo naquele dia sobre o naufrágio do Costa Concordia, que tinha ocorrido há vários dias. Tomamos um banho quente e ainda pensávamos: em que momento vai chegar a conta dessa sorte toda? 

Dormimos super bem e pela manhã tomamos o café, simples, e a recepcionista nos arrumou lavanderia e um city tour. Passamos um dia muito agradável, nos apaixonamos por Arequipa. À noite, ao voltarmos ao hotel nos arrumaram um táxi para irmos à rodoviária. Ainda a caminho de lá pensávamos: é, vai ser agora que vai acontecer algo ruim. Nada podia ser tão perfeito.

Mas foi. Embarcamos (em um ônibus ótimo!) e assim saímos de um dia em que cuidaram de tudo para nós. Um dia em que um anjo parece ter se importado com dois mochileiros com roteiro furado. É, acontece. 

Texto: Jackeline Mota; Edição: Rômulo Elizardo; Fotos: Viaje Sim!

ORGANIZE SUA VIAGEM

Espero que tenha gostado deste conteúdo, produzido com cuidado e carinho. Posso te pedir uma coisa? Ao organizar sua viagem, utilize os links abaixo. Todas as empresas e serviços indicados foram testados pessoalmente e são as opções que usamos. Ao utilizar nossos links, você gera uma pequena comissão para a gente, o que nos ajuda a manter o blog e estimula o nosso trabalho. E você não paga nada a mais. Agradecemos muito o seu apoio!
  • SEGURO VIAGEM: É obrigatório nos países da Europa que fazem parte do Tratado Schengen, além de países como Cuba e Venezuela;
    Altamente recomendável em caso de gravidez, já que seguros de cartões de crédito não cobrem grávidas, práticas de esportes radicais e outros casos. Os gastos com atendimento médico no exterior podem ser exorbitantes! Nos EUA uma internação diária pode custar cerca de US$ 2 mil e um parto vaginal e sem anestesia em 2018 custa mais de US$ 32 mil.
    O seguro também te auxilia com imprevistos como cancelamento de viagem e extravio de bagagem. Para encontrar o plano mais adequado para sua gravidez leia esse post.
    E para garantir o melhor preço pesquise na Real Seguro Viagem por esse link que te dá 10% de desconto e você pode pagar em até 6 x sem juros, e na Seguros Promo, onde você pode usar o cupom VIAJESIM5 e ganhar 5% de desconto. E você ainda tem MAIS 5%OFF para pagamento via boleto.

Compre já e economize!

  • HOSPEDAGEM: Hotéis e apartamentos com o Booking.com; Hotéis que aceitam cacorro com o Booking.com; Quartos e aptos no Airbnbganhe R$ 130 em sua 1ª reserva usando nosso link
  • CHIP DE CELULAR: Chip de celular internacional para internet e/ou dados America Chip : Use VIAJESIM e ganhe 5% OFF
  • USHUAIA: passeios com a Brasileiros em Ushuaia com melhor preço garantido
  • AMAZON AMERICANA: crie uma lista de enxoval e economize dinheiro e tempo na sua Babymoon
  • PET SHOP: Tudo para seu cachorro na ZenAnimal – usando o cupom VIAJESIM você ganha 5% de desconto 
  • CÂMBIO: compare as cotações nas casa de câmbio da sua cidade com apenas um clique, faça sua oferta e troque moeda com segurança na Melhor Câmbio
  • PASSAGENS AÉREAS: compare preços com a Passagens Promo
  • INGRESSOS: museus, parques e shows pelo mundo com a WePlann
  • PARIS: guias que falam português na França entre Amigos 
  • AMAZONGuias de viagem, Kindle e outros produtos da loja brasileira 
  • Problemas com a cia aérea? Exija seus direitos com assessoria jurídica prática e ágil. Entre em contato com a Resolvvi



Publicado por Jackie Mota

Uso minha formação em jornalismo e minha experiência organizando as viagens da minha própria família para escrever posts didáticos e detalhados para poupar o SEU tempo. Nos meus textos você encontra informações práticas apuradas com responsabilidade e organizadas de acordo com as necessidades do viajante. Referências histórias e análises sobre a política e impactos do turismo também estão presentes no meu trabalho para que você viaje bem informado, seguro e consciente - sou especialista em Relações Internacionais e Mestre em Estudos Estratégicos da Segurança Internacional.

outros artigos de Jackie Mota »

Comentários

  1. Marcelo
    04 nov 2016

    Penso qualquer lugar do mundo, turista pode ser um público alvo fácil, por isso o ideal é, se possível, claro, gastar-se um pouco mais, reservando antecipadamente hotéis e passagens, ficando em locais centrais com boa logística. Em Cuzco, procurei fazer isso…não é uma cidade que eu diria, barata para se estar bem instalado, mas procurei o melhor que pude. Mesmo no Brasil, onde conhecemos, até certo ponto, os costumes dos lugares, o planejamento de uma viagem é sinônimo de segurança. Mesmo assim, imprevistos podem acontecer. Sei que minha próxima viagem ao Peru, será Lima-Ica-Nazca-Arequipa…tentarei planejar o melhor para que não me arrependa de nada.

    • 15 nov 2016

      Isso mesmo, Marcelo. Temos que estar atentos, mas tb flexíveis e cientes de que imprevistos acontecem. Boa viagem!
      abs!

  2. 13 jan 2016

    Estive em Arequipa em julho/2015 e também ouvi casos pesados sobre assaltos à turistas, o que fez meu alerta ficar ligado, porém , ao chegar, talvez por ter ficado no centro histórico, (super turístico) não senti insegurança em momento algum. Os mercados fecham tarde, as ruas estão sempre cheias de gente, boa iluminação.

    Gostei muito e me arrependi de ter passado apenas uma noite por lá. Porque a ideia foi só ser um local de descanso, entre o Atacama, no Chile e Cusco. Logo, não nos programamos para ficar mais que um dia por lá.

    Mas segui o conselho do pessoal do hostel: pegar apenas taxis da cooperativa indicada por eles e deu tudo certo. Chegamos na rodoviária seguros, rumo à Cusco.

    • 13 jan 2016

      Que bom que deu tudo certo pra vcs tb. Nós também queríamos ter ficado mais, ficamos apenas 1 dia, mas a cidade é uma delicia. O clima durante o dia realmente é bem tranquilo, acho que o “perigo” eram mais golpes nos táxis mesmo.
      abs!

  3. Hélio
    27 mar 2015

    Fato semelhante aconteceu comigo, em La Paz. No primeiro mochilão para Machu Picchu parei uns dias em La Paz, sem saber direito como ia chegar em Cuzco. Na rodovíária várias empresas ofereciam diversas vantagens, mas eu estava receoso. Foi então que uma atendente de uma empresa de ônibus se ofereceu para ajudar e indicou uma agência de viagens na própria rodoviária, telefonou para um agente (Diego, grande cara), ele veio até o guichê, muito solícito nos levou para a agência, guardou nossa bagagem, ofereceu lanchinho (aí eu já estava pressentindo o golpe e o preço muito além do normal), deu uma aula sobre os bloqueios que existem (greves) muito comuns nas estradas, que poderiam atrasar o percurso, ofereceu uma noite no Hotel Mirador em Copacabana pela metade do preço, se comprássemos a passagem com ele pela Titicaca Tour, o que fizemos. Enfim, fizemos uma viajem tranquila, com ônibus muito bom, dentro do horário previsto, com parada e hotel show de bola às margens do Lago Titicaca e tudo por um preço bem abaixo do que prevíamos. Isso demonstra que, na verdade, nós brasileiros é que temos muito que aprender com recepção de turistas e não ficar vendo a maldade que existe, de fato, no Brasil, nos outros países.

  4. jackieeromulo
    05 out 2012

    ah sim, barganhar é comum, mas a gente ficou olhandopra ver se ela ia receber comissão do albergue, e não recebeu. além disso pagamos metade do preço de tabela, então não fazia mt sentido. a gente tb encontrou “atravessadores” em outros momentos, mas ela não tinha esse perfil, sabe. Era uma mulher, nem era senhora ainda, mt bem vestida, calma e tal. E ela trabalhava lá na rodoviária mesmo, no escritório de turismo.
    abs,

  5. 05 out 2012

    ahaha, mas no Peru isso é bem comum! Em Puno e em águas calientes, a gente negociava hospedagem barata com pessoas que estavam esperando a gente sair do ônibus/trem.

  6. jackieeromulo
    04 out 2012

    Realmente é horrível, mas a gente tende a achar que td mundo vai aprontar, ser espertão. E sim, ainda existem mts anjos por aí.
    abs,

  7. Fernanda
    04 out 2012

    Eu viajo sempre nessa do improviso. Chegar de madrugada na cidade já é meio default, porque é sempre mais barato. Apesar de viajar sozinha, eu nunca tive medo. Nunca, até o dia que fui extorquida no Líbano e passei 6 horas de horror. Eu tinha certeza que não levariam só meu fígado. Só conseguia pensar em como minha família ía descobrir meu corpo perdido por lá. Depois daquele dia, jurei que nunca mais iria para países sub-desenvolvidos sozinha, que nunca mais iria entrar num ônibus noturno sozinha e aí fui para a Bolívia meses depois. Cheguei de madrugada, sem reserva (como sempre) e só para variar, apareceram uns anjos para me ajudar. Só não sei quando que o pessoal lá de cima vai parar de me mandar ajuda, porque andei abusando nos últimos anos. A grande verdade é que tá cheio de gente honesta no mundo (muito mais do que a gente imagina). Infelizmente, vivemos num país que o jeitinho é quase lei e julgamos todos os outros pelo que é feito aqui. E de maneira geral, eu sempre dou chance para as pessoas, mesmo depois de já ter passado por 1.001 perrengues.

  8. Jackeline_e_Romulo
    01 out 2012

    Carolina, seu comentário foi pra caixa “errada”, vou colar aqui:

    “acho que ela foi tão legal com vocês porque alguém anteriormente já foi muito legal com ela. então, ela sabe bem o valor que uma gentileza como essa tem.”

    Realmente, pode ter sido um “passe adiante”, né?

    bjs,

  9. carolina.
    29 set 2012

    acho que ela foi tão legal com vocês porque alguém anteriormente já foi muito legal com ela. então, ela sabe bem o valor que uma gentileza como essa tem.

  10. jackieeromulo
    27 set 2012

    Obrigada pelo elogio, Ludmy. Adorei saber que vc é uma anja. acho que agora depois de ter experimentado a ajuda de uma vou passar a tentar ajudar mais também =)
    Sim, nos vemos sábado, estou ansiosíssima!
    beijinhos,

  11. 27 set 2012

    Post super bem escrito. Fiquei a todo momento na expectativa do “quando vai acontecer algo”? Eu acredito em anjos e sou a primeira que, ao ver um turista perdido em Madrid, me ofereço para ajudar. Nos vemos sábado, no Seminário! 😉

  12. jackieeromulo
    27 set 2012

    Pois então,e u não fico alerta nunca, a não ser em momnentos onde eu já tenha lido alguma coisa, tipo na hora do táxi aqui, no ônibus no Peru, mas normalmente eu super relaxo. Mas nossos anjos parecem estar sempre de plantão pq nunca aconteceu nada rs
    bjs,

  13. jackieeromulo
    27 set 2012

    Pois é, Celina, os viajantes também parecem ter um setor lá em cima rs Essa anja foi demais rs
    bjs,

  14. 26 set 2012

    Querida, eu acredito nesses anjos! Acredito que foram enviados para salvar almas viajantes! Aconteceu comigo em Veneza e um anjo desses apagou a noite tenebrosa que eu e minha filhota passamos dentro de uma cabine de um “trem do terror” vindo de Roma.
    Eu definitivamente acredito em anjos! bjokas

  15. Rosemery Souza
    26 set 2012

    Jackie que coisa hein… Eu fico muito mais em alerta do que o marido, presto atenção em tudo e em todos, mas não sou do tipo neurótica, pois conheço gente que é, rsrsrsr. Nessa situação eu pensaria igual a vc, principalmente na parte em que vc pensa que vai virar escrava e perder o fígado, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Melhor mesmo´é pensar que foi um anjo, que o santo protetor dos turistas mandou pra tirar vcs dessa.

    Imprevistos sempre acontecem, em Buenos Aires resolvemos conhecer o zoológico de Lujan, na ida foi tranquilo, fomos de vã coom uma empresa particular super recomendada, mas na volta calculamos o tempo do passeio errado e resolvemos voltar por conta própria, seguimos então para a pista principal pegamos o primeiro ônibus com um nome familiar, ele era de ar condicionado mas estava quebrado ( imagina o bafo), estava super cheio só eu fui sentada, o marido foi em pé, a fome começou a apertar o centro da cidade não chegava nunca, aí vi um shopping que já tinha ouvido falar e resolvemos descer. Almoçamos e depois voltamos pro hotel de táxi. Não foi tão emocionante quanto o seu, mas é uma situação que por mais programado que seja o roteiro perfeito sempre será mais bonito no papel do que na viagem real!!!

    Bjos

  16. jackieeromulo
    26 set 2012

    =) Realmente tem que ficar alerta mesmo, mas a gente relaxa muito, em muitos locais e tal. Atpe hj a gente ainda se pergunta por que ela foi tão legal com a gente?
    bjs,

  17. 26 set 2012

    Gostei do Turista em alerta, mode on..hahaha. O meu fica ligado o tempo todo e, realmente, a gente se surpreende em situações como a que vocês vivenciaram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.