Embarcando na construção

Rômulo têm um histórico (positivo) de me convencer a fazer coisas que eu sempre jamais imaginei fazer. Um exemplo? Ter um cachorro. Pois é, e ele conseguiu de novo. Apesar de eu não querer investir em imóveis e ter pavor da idéia de obra, até de pequenas reformas, ele conseguiu me convencer a comprar um terreno e construir uma casa assim, do zero.

terreno

Foto tirada no dia em que assinamos a compra

É preciso reconhecer que ele sabe lidar comigo. Para amolecer meu coração em prol de serezinhos de quatro patas ele usou durante anos fotos, vídeos e cachorros reais de uma raça específica. Funcionou e hoje somos pais de dois buldogues franceses. Já para me convencer a construir ele usou viagens. Jogou baixo, bro.

Pois é, como grande parte de quem ama viajar me dá urticária a idéia de casa própria, financiamento de 30 anos. Não que eu queria sair pelo mundo, não é isso, porque eu amo uma rotina e gostaria mesmo de viajar mais vezes ao longo do ano, mas sempre voltando pro meu lar doce lar. Sou bem caseira, na verdade. Mas eu não gosto da ideia de ter que morar na mesma casa sempre. E nem de aplicar tanto dinheiro em um único bem como seria comprar algo aqui no Rio por agora. Bom, eu já me mudei 19 vezes, e em apenas 3 cidades, então isso resume minha explicação, né?

Para contornar tudo isso, Rômulo começou a me cortejar durante viagens a Búzios. Você gosta daqui. É uma cidade bacana, no interior, mas com muita opção de bons restaurantes e programas. É perto do Rio. Mesmo morando fora do país acho que gostaríamos de vir sempre a Búzios. Não seria uma “casa de praia”, um gasto extra, pois seus pais morariam aqui.

Fato é que meus pais moram em Cabo Frio, vizinha a Búzios, já há muitos anos (mais de 15) e querem mesmo morar na região. Então juntei os argumentos do marido com a vontade de tranquilidade dos meus papis e voilá: compramos um terreno para construir uma casa para eles morarem e para a gente aproveitar.

E é assim que embarcamos nesse mundo novo (nem tão novo, ainda me lembro com arrepios de todo o processo de construção da nossa casa em Minas, mas vamos virar a página). Foram meses procurando terreno pela cidade, checando documentação, conversando com advogados, despachantes até estar tudo assinado, carimbado, protocolado (mias ou menos, né, porque cartório é um troço difícil de se livrar). Mas enfim, somos proprietários de um terreno em Búzios.

Agora é mergulhar nas pesquisas de projeto, achar uma empresa que consiga reunir em uma planta todas as referências que já temos e as necessidades dos meus pais e depois começar a parte hard da construção.

E, vendo pelo lado bom, se eu me estressar com a obra pelo menos estarei sempre em Búzios para um bom mergulho no mar e uma caminhada na Rua da Pedras. Tá bom, marido, admito: você acertou de novo.

Cresceu no interior de Minas, sempre cercada de livros. Desde criança tem uma alma antiga. Encontrou no Rio o amor da sua vida, com quem ama viajar e se casar (again and again). É mãe de dois buldogues, Maquiavel e Foucault, jornalista e mestre em Estudos Estratégicos.

4 Comments on Embarcando na construção

  1. 16 de outubro de 2013 at 15:38 (6 anos ago)

    adorei a ideia do novo blog, e adorei a história. fico feliz por vocês!
    parabéns pela nova fase! que seja muito gostoso construir o cantinho de vocês naquele paraíso chamado Búzios!

    Responder
    • Jackie Mota
      19 de outubro de 2013 at 13:43 (6 anos ago)

      Obrigada, Lê!

      Responder
  2. Helen
    14 de outubro de 2013 at 20:04 (6 anos ago)

    Nossa!
    Que bacana! Parabéns!!! Esse é um projeto e tanto! Também tenho pavor de obra, mas o resultado final é tão legal!
    Beijinhos e uma boa semana!

    Responder
    • Jackie Mota
      14 de outubro de 2013 at 20:33 (6 anos ago)

      Legal, né? Até que depois de algumas idéias que andei vendo para a casa estou mais animada. Mas a cada pagamento ao cartório eu queria morrer rs
      beijos, querida!

      Responder

Leave a Reply