Andar leve: um passo após a conquista da viagem leve

Quem acompanha o Dépaysement e o Viaje Sim! sabe que há algum tempo optamos por viajar leves, ou seja, sem despachar. A decisão que foi um desafio nas primeiras vezes, acabou virando um hábito com o qual nos identificamos completamente. Tem a ver com nossa filosofia de vida e nossas escolhas que priorizam, por exemplo, a praticidade e o conforto.

andar leve desafio bolsa pequena no dia a dia

Minha nova companheira: #andarleve

Mas se levar uma única bolsa ou mochila pra uma viagem já me é super natural e simples, o mesmo não posso dizer sobre a bolsa que carrego durante o dia, tanto em viagens quanto em casa. Eu uso um organizador de bolsa, onde deixo tudo “o que posso precisar”, como remédios, maquiagem, lenço de papel etc e ainda costumo levar casaco, livro ou kindle, meu planner etc.

Mas o tempo vai nos mudando e eu comecei a sentir que isso já não tem mais espaço na minha vida e nem disposição do meu corpo. Eu tenho problema na coluna, preciso voltar pro RPG, então seria ótimo diminuir o peso no dia a dia. Sem contar que no Rio de Janeiro, um modelo de bolsa pequeno e que possa ser levado cruzado no corpo é bem mais seguro que uma bolsa a tiracolo.

andar leve desafio usar bolsa pequena no dia a dia

Então, lá vamos nós pro desafio. Separei uma bolsinha bem pequena e a meta é usar apenas ela porque o espaço é reduzidíssimo. Ali cabem apenas chaves (na minha casa nova são várias), itens de carteira como dinheiro e cartões e o celular, além de um mini creme de mãos, que sem ele não vivo.

andar leve desafio bolsa pequena no dia a dia 3

Minhas principais dificuldades são deixar pra trás meu planner, que uso pra me organizar e é bem grandão e o Kindle. Então, a idéia é me acostumar a usar mais o iPhone, tanto pra anotações quanto pra ler na rua, o que eu admito, tenho certa resistência. Por enquanto eu estou me enrolando. Já achei “desculpas” em vários dias pra andar com bolsa grande e ainda arrumei uma “gambiarra” pra levar o álcool gel pendurado por fora.

Por isso achei bom registrar o desafio em público, sabem como é, qualquer projeto tem muito mais chances de dar certo quando compartilhado. E você, anda se sentindo pesada?

Cresceu no interior de Minas, sempre cercada de livros. Desde criança tem uma alma antiga. Encontrou no Rio o amor da sua vida, com quem ama viajar e se casar (again and again). É mãe de dois buldogues, Maquiavel e Foucault, jornalista e mestre em Estudos Estratégicos.

2 Comments on Andar leve: um passo após a conquista da viagem leve

  1. Camila Navarro
    12 de julho de 2016 at 18:15 (11 meses ago)

    Já te falei que diminuí minha bolsa também, né? Antes eu andava com bolsas enormes, mas comecei a ver que aquele peso não fazia bem pro meu ombro. Sem contar que comecei a buscar o minimalismo em todas as áreas da minha vida. Hoje carrego uma pequena e leve. É pequena, mas cabe muita coisa: uma carteira pequena, uma ecobag compacta, óculos de sol, creme para as mãos, meu crachá, um espelhinho, lixa de unha, um bloquinho de anotações e um celular. Tudo que eu preciso no dia a dia! Quando está chovendo ainda consigo encaixar um guarda-chuva pequeno por cima de tudo. Tenho o app do kindle no celular e leio nele quando estou na rua. E é isso! Você vai se adaptar logo, aposto!

    Responder
    • Jackie Mota
      12 de julho de 2016 at 18:28 (11 meses ago)

      Você é sempre minha ídala, Camila! rs Gostei dessa bolinha aí, esqueci que vou precisar dos óculos depois – por quanto não posso usar por causa da rinoplastia. Acho que é isso, quando a gente vai pro minimalismo ele se espalha pra vida toda, as coisas não fazem mais sentido sem ser assim, né? Mas o fator peso é fundamental no meu caso tb. Minha coluna esta bem ruim. E durante as viagens não abro mão da câmera, entao preciso maneirar mesmo no peso da bolsa.
      bjs!!

      Responder

Leave a Reply